Páscoa: pacientes e familiares comemoram o festejo na Casa da Criança do Hospital do Açúcar

Páscoa: pacientes e familiares comemoram o festejo na Casa da Criança do Hospital do Açúcar

18:56 28 março in Últimas Notícias

A páscoa é próximo domingo (27), mas o Ambulatório de Oncologia Pediátrica do Hospital do Açúcar já comemorou o festejo na manhã desta quarta-feira (23) na Casa da Criança. Cerca de 20 de crianças acompanhadas pelos familiares dançaram ao som do grupo Casuadinha e se deliciaram ao sabor de chocolates.

A comemoração teve o apoio do Instituto Arthur Amorim – que ajuda crianças em tratamento quimioterápico, dando apoio psicológico e relativo a assuntos burocráticos, como marcação de consultas.  A organização também levou à Casa da Criança a equipe do Projeto Ester para interagirem fantasiados com os pacientes.

A enfermeira do Ambulatório, Paula Juliana, enfatiza a sociabilidade como o resultado mais importante alcançado por meio dos encontros comemorativos realizados na Casa da Criança. Ela explica que durante o tratamento, tanto as crianças, quanto os familiares têm seu convívio social reduzido e as festas tendem a promover uma interação.

“Quando uma criança precisa ficar internada aqui por três meses, por exemplo, inevitavelmente o pai, a mãe, ou qualquer ente próximo fica em recluso pelo mesmo período. Isso permite um nível de sociabilidade muito restrito.  Aqui se torna uma oportunidade de interação. E os familiares já ficam esperando pelos encontros, perguntando quando vai ter para comparecerem”, afirma a enfermeira.

Exemplo disso é Edilane Cristina dos Santos, 37 anos. Seu filho, de 12 anos, tem Leucemia, e regularmente ela precisa ir ao Hospital para dá continuidade ao tratamento. Para ela, os encontros, como o ocorrido na manhã desta quarta, são meios de conhecer outras pessoas que passam pela mesma situação, trocar experiência e também promover ajuda mútua.

“ Nós [familiares] somos como uma família. Enquanto as crianças se divertem a gente conversa muito, troca ideias, observa as respostas positivas ou negativas ao tratamento dos nossos filhos e ver no que cada um pode ajudar com relação ao outro. É uma unão de forças”, afirma.

Galeria de imagens do evento: