microcefalia

Médico afirma normalidade em casos de microcefalia no Hospital do Açúcar

22:39 28 janeiro in Últimas Notícias

“Não há surto ou epidemias no Hospital do Açúcar”. É o que afirma o médico João Lourival de Souza Junior, presidente da sociedade alagoana de pediatria e coordenador da UTI neonatal e pediátrica do Hospital do Açúcar, sobre a microcefalia, condição neurológica rara, em que a criança nasce com malformação no crânio e a cabeça menor que o considerado normal.

Segundo o pediatra, a doença, repercutida atualmente por causa do surto associado ao Zika Vírus, também é gerada por demais infecções no primeiro trimestre de gravidez da mãe, como a rubéola, toxoplasmose e citimegalovirose; por algumas síndromes genéticas como as Síndrome da patau e edwards; e por “doenças congênitas, principalmente associadas ao uso de drogas pela gestante”, sendo estas vias as principais causas da microcefalia registradas no Açúcar.

“Nos últimos 15 dias, não houve casos de microcefalia no hospital, de toda forma, como é uma doença detectada clinicamente, redobraremos a atenção quanto ao surgimento de novos casos”, afirma Lourival.

As complicações decorrentes da microcefalia implicam em retardo mental, que pode ser gerado em diversos níveis a depender da agressão ao sistema nervoso do indivíduo. A doença afeta a vida social e pode causar a exclusão total do microcefálico.

“Importante salientar que a doença pode também ser detectada no consultório pediátrico quando do não crescimento adequado do perímetro cefálico. Para o diagnóstico, não consideramos apenas a circunferência da cabeça, embora esse seja um dado muito relevante, mas também a relação deste valor com a curva do peso”, complementa o pediatra.

BCCOM Comunicação
Assessoria de Imprensa
82 3326.3839 | 82 8802.0271
bccom1@uol.com.br